Quero receber
o LordCão News

 

LordCão News - Artigos interessantes

voltar

Como comprar um cachorro

Por Lucia Andrade


Para a maioria das pessoas, o Natal ainda está bem longe; porém para a maioria dos criadores esta é a hora de se organizar, definir os padreadores e aproveitar o cio das suas cadelas para cruzá-las. Tudo isso porque é na época do Natal que a maioria das pessoas se apaixonam pela idéia de ter um filhotinho em casa, ou resolvem que um filhotinho será o melhor presente para alguém.

- “Um filhotinho de cachorro? Que presente legal, que surpresa boa! É muito mais original que uma peça de roupa, um brinquedo, um eletrodoméstico,...”

Fica então estabelecido que é um filhotinho que várias pessoas vão ganhar de Natal. Seja ela sua filhinha de 5 anos, sua namorada de 18 anos, seu filho de 15 anos que está meio rebelde e precisa de responsabilidade, sua mãe que está ficando velhinha e solitária ou a sua mulher que não quer ter um filho agora para não atrapalhar o emprego mas está com instintos maternos a flor da pele...

Se o presente já está definido vamos então procurar uma boa loja para comprá-lo? Da mesma maneira que se pensássemos em presentear alguém com uma roupa, escolheríamos previamente qual peça ou artigo de roupa lhe cairia melhor, precisamos também definir qual raça de cachorro será melhor para a pessoa a ser presenteada.

Muitas pessoas esquecem esta parte, mas ela é fundamental. Nessa hora pense nas pessoas que compõem sua família, número de pessoas e idade de cada um, depois pense no local aonde você mora, apartamento pequeno/grande, casa com terreno ou sem, fazenda, quarto-e-sala... Depois pense no seu cotidiano, você trabalha o dia todo, fica muito tempo em casa, viaja final de semana... É importantíssimo pensar no seu dia-a-dia, na sua disponibilidade, pois na maioria das vezes, é o adulto que acaba cuidando do cão, e 90% das vezes é a mãe e não o pai quem cuida.

Mesmo presenteando seu filho, será você quem irá limpar coco/xixi, dar remédio, escovar, ... Pense também na sua empregada. Muitas vezes a responsabilidade de limpar, dar comida e passear com o peludo cai nas mãos dela. Se ela já cuida de toda a roupa, cozinha, arruma casa, põe as crianças para a escola, será que ela ainda terá tempo suficiente para cuidar do filhote? E quando ele ficar enorme?

QUAL A RAÇA?
A raça é super importante, pois cada raça tem suas peculiaridades, seus fatores positivos e negativos. Não se deixe iludir por aquelas coisinhas mais fofinhas nas vitrines das Pet Shops. Talvez aquela bolinha de pêlos não seja ideal para a rotina da sua família. Tente pensar na raça de acordo com sua categoria: terriers, cães de companhia, cães de trabalho, cães de guarda, pastores, caçadores... E estude cada grupo de raças, não só os aspectos físicos, mas principalmente os aspectos mentais, o comportamento, as tendências de temperamento.

Na maioria das vezes um cachorrinho não dá certo na casa de alguém não por ter pêlo demais, ou babar demais, ou ser feinho demais. Na maioria das vezes é porque ele pula muito, ou cava todo o jardim, ou está toda hora na piscina limpínha, ou pastoreia as crianças, ou briga com o outro cão... Todas essas coisas são típicas de várias raças, praticamente instintivas, ou seja, genéticas.
É claro que sempre tem exceções, existem Labradores que odeiam água, existem terriers que se dão bem com outros cães, existem Rotts que não ligam para estranhos dentro da sua casa. Mas todos esses exemplos são exceções (e nem deveriam cruzar! Mas isso é uma outra estória...)

ONDE COMPRAR?
Ok. Agora que resolvemos a raça, ou seja, a “peça de roupa”, vamos comprá-la em qualquer lugar? Claro que não! Geralmente tentamos definir umas lojas legais, comparamos preço x benefício, local, se é perto do nosso escritório, ou da nossa casa, ou se vale a pena, pegar o carro e dirigir até um lugar mais longe pelo qualidade do produto.

Devemos fazer a mesma coisa com os canis. Temos a obrigação de pesquisar, procurar um criador correto, uma pessoa que não comercializa os filhotes por questões financeiras. Aliás, os criadores honestos, sabem que criar cães não gera lucros gigantes, na maioria das vezes o que dá é empate!

Mas são tantos criadores, tem a minha vizinha que a cachorra dela deu cria, tem a Pet Shop da minha rua, tem aquela feirinha legal, tem aquele cara que fica na praia, no parque, na esquia, com uns cachorrinhos tão lindinhos no porta-malas do carro dele... Epa, peraí! Esse pessoal não é criador!!!!

Criadores são pessoas que se dedicam, praticamente, em tempo integral à sua criação. Que pesquisam e se preocupam em escolher padreadores corretos, que se preocupam com o temperamento do cão, com a saúde de cada cachorro. Não são pessoas que estão vendendo filhotes porque suas cadelas cruzaram “acidentalmente”, quando eles nem perceberam...

Criadores são pessoas orgulhosas que seus filhotes não tem displasia, que estão dentro do padrão da raça, tanto em termos de conformação como de temperamento, não tem problemas de pele, não tem entrópio, não tem um testículo só... É gente, a coisa tá preta por aí!

O CRIADOR
Criadores mantêm o canil limpo, seus cachorros são bem tratados e estão à disposição para serem visitados qualquer hora do dia. Seus cachorros não são uma matilha gigante afastados da casa, jogados que nem um bando de galinhas. Seus cachorros estão perto da família, fazem parte da família, entram na casa do criador.

Quando estão grávidas, as cadelas recebem tratamento vip, comem ração de filhotes, são cuidadas com atenção e com prioridade em relação aos outros cães da criação. Elas são previamente vacinadas e vermifugadas. Na hora do parto, os criadores estão lá de prontidão, os veterinários estão em alerta, enfim um bom criador se preocupa com o estado de saúde da cadela e dos filhotinhos.

É trabalhoso manter 10 filhotinhos limpinhos sem estar sujos de cocô e de xixi o tempo todo? É. Mas não interessa. Um bom criador mantém seus filhotinhos limpinhos. Um bom criador vermifuga e vacina seus filhotinhos. Um bom criador põe em ordem a papelada do pedigree, um bom criador inclusive consegue analisar qual filhotinho servirá para você e sua família.

A VISITA
Na hora de visitar os canis, procure fazer todas as perguntas em relação a saúde e temperamento dos padreadores e repare como o criador se sai. Nesta fase da visita peça para ver a mãe e o pai (é normal o pai não está presente em alguns casos), peça para ver todos os filhotinhos. Procure saber a idade da mãe, ela não pode ser muito jovem, o certo é ela ser mãe depois de 1 ano e meio ou após o terceiro cio.

Tente visitar os bebês mais ou menos com 2-3 semanas de vida. Depois volte de novo, quando eles tiverem com 5 semanas. Desta maneira você conseguirá comparar o desenvolvimento deles e também a organização, a limpeza e a administração da ninhada pelo criador. Continuam todos com saúde? Todos limpinhos?

Vale a pena também reparar no tipo de solo e abrigo que eles estão. Eles podem ficar um pouco no sol? Podem também se abrigar na sombra? Eles estão em chão escorregadio (perigoso para muitas raças)? Eles têm contato com as pessoas da casa?

A ESCOLHA
Na hora da reserva do filhote, não leve as crianças ou aquela pessoa que está louca para ganhar um cachorrinho. Geralmente essas pessoas acabam se deixando levar pela emoção e escolhendo o filhote errado, ou um filhote da ninhada errada e do canil errado.

Na hora da decisão pense em todos os canis que visitou e escolha aquele que lhe foi mais sincero, que lhe pareceu mais limpo e que tinha um preço justo. Atenção fihotinhos muito baratos é encrenca na certa. Aonde já se viu comprar cerejas ou kiwi a preço de banana? Aí tem!

Procure analisar os filhotes dentro da matilha. É possível perceber quem é o dominante, o submisso, quem está mais doentinho, gordinho, magrelo?? Tudo isso pode ser uma boa indicação do estado de saúde física e mental de cada um. Veja se todos aceitam ser apalpados, se todos brincam com você, demonstram interesse e curiosidade.

Repare quem rosna mais, quem está mais tímido. Procure ouvir o criador, mas faça você mesmo a escolha, siga os seus instintos. Uma boa dica é nunca escolher o “mais qualquer coisa”. Nada que é demais é bom. Procure escolher um filhotinho equilibrado, que pareça bem de saúde e que não seja nem muito “reclamão” e nem muito quietinho, nem muito sapeca e nem muito tímido.

Nesta fase vale a pena entrar em acordo sobre o que acontecerá caso após a compra, na sua casa, o filhote adoeça, apresente sinais atípicos de comportamento ou morra. (é chato falar sobre isso, mas acredite, às vezes acontece)

A HORA DE LEVAR O FILHOTE PARA CASA
Depois de ter escolhido o filhotinho, procure buscá-lo numa sexta-feira, para você ter o final de semana inteiro com ele. É importantíssimo que você e sua família possam dar a atenção necessária nessa transição da matilha canina para a matilha humana.

Combine de pegá-lo apenas após a 7ª semana, ou seja com no mínimo 49 dias. O criador que lhe empurrar os filhotes antes disso, não conhece nada sobre comportamento canino. Ele não sabe que antes disso, o filhote não terá aprendido noções básicas de higiene - o que é fundamental para ele quando for morar na sua casa. Se você pegar o cão antes dele completar 49 dias, ele não terá aprendido direito a linguagem corporal canina, não terá aprendido com sua mãe e irmãozinhos noções de higiene, hierarquia, submissão e dominância.

FOLLOW-UP
Para o bom criador, a venda não acaba quando o filhote sai do canil. Ele se preocupará em saber como está sendo a adaptação de seus netinhos na nova casa. Ele lhe dará dicas de como criar o filhote, afinal ele tem experiência própria. Ele lhe atenderá sempre que houver alguma dúvida e após alguns meses ele mandará o pedigree do filhote. No caso de alguma coisa sair errado, como por exemplo, o filhote ficar doente, não se adaptar, desenvolver temperamento atípico, ou morrer o bom criador cumprirá com o acordo previamente combinado entre vocês.

E lembre-se procure criadores através de revistas especializadas, através da Internet, por indicação de pessoas que já possuem um cão deste canil e que está feliz. Faça o seu dever de casa direitinho. De repente a peça de roupa que você comprou para dar de presente, nem será usada no Natal que vem. Ficará guardada dentro do armário. De repente a pessoa vai até usar durante 1 ou 2 anos, mas um cachorrinho não dura só isso. Um cachorrinho dura 12 anos, um cachorrinho é vida, um cachorrinho late, chora, reclama, rosna, um cachorrinho será parte da sua família. Uma roupa não. Boas compras!!

Todos os direitos reservados. Este artigo está registrado na Biblioteca Nacional e tem seus direitos autorais protegidos por lei. É permitida a sua reprodução desde que sejam colocados o nome da autora e a homepage origem.

voltar


© LordCão 2009